Pesquisa | O Instituto Butantan e a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein identificaram uma molécula com potencial para tratamento do câncer, proveniente de um processo inovador e extraída do veneno da aranha caranguejeira Vitalius wacketi, encontrada no litoral de São Paulo.

Pesquisa | O Instituto Butantan e a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein identificaram uma molécula com potencial para tratamento do câncer, proveniente de um processo inovador e extraída do veneno da aranha caranguejeira Vitalius wacketi, encontrada no litoral de São Paulo.



Sintetizada no laboratório do Butantan e purificada pelo Einstein para remover possíveis contaminantes e intensificar seu efeito, a substância demonstrou capacidade de eliminar células de leucemia em testes in vitro.

Resultado de mais de duas décadas de estudos, a técnica que levou à descoberta da molécula foi patenteada com apoio das áreas de Inovação das instituições.

Agora, a pesquisa alcançou maturidade suficiente para avançar para novas etapas de desenvolvimento, buscando novos colaboradores.

A síntese da substância, uma combinação de duas moléculas já conhecidas, realizada pelo grupo liderado pelo pesquisador Pedro Ismael da Silva Junior, permite sua obtenção sem a necessidade de extrair o veneno do animal, tornando o processo consideravelmente mais ágil.

Uma das principais vantagens do composto é sua capacidade de induzir a morte programada das células tumorais por apoptose, em contraste com a necrose.

Isso significa que as células se autodestroem de maneira controlada, sem desencadear uma resposta inflamatória, ao contrário da maioria dos medicamentos quimioterápicos disponíveis atualmente.

Para mais informações acesse tvjornal.com.br

(Imagens: Banco de Imagens/ pexels)

#ll #pesquisa #brasil

Comentários