Uma advogada, um jornalista e dois entregadores de comida por aplicativo acusam policiais militares de agressão. A Comissão de Direitos Humanos da OAB acompanha o caso que terminou com a prisão dos envolvidos, no início da tarde desta quinta-feira (3).

Uma advogada, um jornalista e dois entregadores de comida por aplicativo acusam policiais militares de agressão. A Comissão de Direitos Humanos da OAB acompanha o caso que terminou com a prisão dos envolvidos, no início da tarde desta quinta-feira (3).

A confusão aconteceu em frente a um ponto de retirada de bicicletas por aplicativo, no Largo do Machado, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Segundo informações da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), existia uma fila no local para a retirada das bicicletas. A fila era formada, em sua maioria, por entregadores de comida por aplicativo.

Ainda de acordo com informações da comissão, policias militares que estavam por perto decidiram intervir na organização da fila e deram prioridade para uma mulher que chegou por último.

Os PMs teriam determinado que a mulher deveria ser atendida primeiro por não ser entregadora.

Uma das entregadoras que aguardava a sua vez não concordou com a ordem e argumentou que não deveria existir prioridades naquele serviço.

Depois do posicionamento firme da trabalhadora, os policiais teriam iniciado as agressões. Outros entregadores entraram no confronto e a confusão aumentou, ainda de acordo com relatos da Comissão de Direitos Humanos da OAB.


Comentários