𝘽π™ͺπ™¨π™˜π™–π™™π™€π™§ π™₯𝙖𝙙𝙧𝙖̃𝙀 𝙙𝙀 π™‚π™€π™€π™œπ™‘π™š 𝙗𝙑𝙀𝙦π™ͺπ™šπ™žπ™– π™§π™žπ™«π™–π™žπ™¨ π™šπ™’ π™–π™©π™š́ π™’π™šπ™©π™–π™™π™š 𝙙𝙖𝙨 π™₯π™šπ™¨π™¦π™ͺπ™žπ™¨π™–π™¨ π™›π™šπ™žπ™©π™–π™¨ 𝙣𝙀𝙨 π™€π™π˜Ό, π™™π™žπ™― π™šπ™¨π™₯π™šπ™˜π™žπ™–π™‘π™žπ™¨π™©π™–

𝘽π™ͺπ™¨π™˜π™–π™™π™€π™§ π™₯𝙖𝙙𝙧𝙖̃𝙀 𝙙𝙀 π™‚π™€π™€π™œπ™‘π™š 𝙗𝙑𝙀𝙦π™ͺπ™šπ™žπ™– π™§π™žπ™«π™–π™žπ™¨ π™šπ™’ π™–π™©π™š́ π™’π™šπ™©π™–π™™π™š 𝙙𝙖𝙨 π™₯π™šπ™¨π™¦π™ͺπ™žπ™¨π™–π™¨ π™›π™šπ™žπ™©π™–π™¨ 𝙣𝙀𝙨 π™€π™π˜Ό, π™™π™žπ™― π™šπ™¨π™₯π™šπ™˜π™žπ™–π™‘π™žπ™¨π™©π™–



Os acordos do Google para ser o mecanismo de busca padrΓ£o em dispositivos mΓ³veis e navegadores bloqueiam seus rivais em atΓ© metade das consultas realizadas nos Estados Unidos. Γ‰ o que apontou o economista Michael Whinston, contratado pelo Departamento de JustiΓ§a americano, no segundo dia de depoimento no julgamento antitruste (defesa da concorrΓͺncia) do Alphabet, controladora do Google.

— O poder de um navegador padrΓ£o Γ© muito significativo — disse Whinston que tambΓ©m Γ© professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, e foi contratado pelo Departamento de JustiΓ§a para conduzir uma anΓ‘lise empΓ­rica do caso — Quando vocΓͺ vΓͺ o Google pegando bilhΓ΅es e bilhΓ΅es, deve haver um motivo. Esse Γ© o primeiro pensamento, como economista, que me vem Γ  mente — completou.

O Departamento de JustiΓ§a, em um caso histΓ³rico, argumenta que os mais de US$ 10 bilhΓ΅es de dΓ³lares que a Alphabet paga a empresas como a Apple e Samsung, impedem que rivais do Google – como DuckDuckGo e Bing, da Microsoft – explorem de um terΓ§o a 50% de todas as buscas realizadas nos EUA, segundo o economista.

Outros 20% das pesquisas realizadas no paΓ­s sΓ£o feitas atravΓ©s do navegador Chrome, do Google, que as prΓ³prias pessoas baixam, apontou. O Google define seu prΓ³prio mecanismo de pesquisa como padrΓ£o no Chrome. Outros 33%, sempre irΓ£o para o padrΓ£o, estimou Whinston, o que significa que um mecanismo de pesquisa rival sΓ³ poderia esperar obter cerca de 17% do trΓ‘fego de busca nos EUA.

As estimativas de Whinston tiveram como base números internos do Google, Microsoft e outras empresas proprietÑrias de buscadores que foram fornecidos ao Departamento de Justiça.

De acordo com o economista, os cΓ‘lculos foram feitos com base em dados que mostram quando os usuΓ‘rios mudaram seus navegadores padrΓ΅es. TambΓ©m envolveu informaçáes sobre pesquisas em desktops, onde os usuΓ‘rios podem mudar de navegador com mais facilidade, comparando Macs – onde o navegador Safari da Apple tem como padrΓ£o o Google como mecanismo de busca – versus computadores com Windows, onde o Internet Explorer e o Edge, da Microsoft, tΓͺm como padrΓ£o o Bing.

Além disso, Whinston examinou como os usuÑrios responderam quando a Rússia e a Comissão Europeia exigiram que os fabricantes de celulares Android oferecessem uma escolha de mecanismos de busca em resposta a reclamaçáes antitruste.

No caso da RΓΊssia, a empresa russa de tecnologia Yandex NV ganhou mais de 20% em participação no mercado de buscas apΓ³s a introdução da tela de escolha, “uma reversΓ£o completa de participação” entre a Yandex e o Google em trΓͺs anos.

ComentΓ‘rios