π™ˆπ™–π™©π™– π™›π™šπ™˜π™π™–π™™π™– π™š π™œπ™§π™€π™©π™–π™¨ π™™π™š π™˜π™–π™˜π™π™€π™šπ™žπ™§π™–π™¨: π™˜π™€π™’π™€ 𝙀 π™¨π™šπ™§π™žπ™–π™‘ π™ π™žπ™‘π™‘π™šπ™§ π™˜π™€π™£π™¨π™šπ™œπ™ͺπ™š π™šπ™¨π™˜π™–π™₯𝙖𝙧 𝙙𝙖 π™˜π™–π™˜̧𝙖𝙙𝙖 π™›π™šπ™žπ™©π™– π™₯π™šπ™‘π™–π™¨ π™›π™€π™§π™˜̧𝙖𝙨 π™™π™š π™¨π™šπ™œπ™ͺπ™§π™–π™£π™˜̧𝙖

π™ˆπ™–π™©π™– π™›π™šπ™˜π™π™–π™™π™– π™š π™œπ™§π™€π™©π™–π™¨ π™™π™š π™˜π™–π™˜π™π™€π™šπ™žπ™§π™–π™¨: π™˜π™€π™’π™€ 𝙀 π™¨π™šπ™§π™žπ™–π™‘ π™ π™žπ™‘π™‘π™šπ™§ π™˜π™€π™£π™¨π™šπ™œπ™ͺπ™š π™šπ™¨π™˜π™–π™₯𝙖𝙧 𝙙𝙖 π™˜π™–π™˜̧𝙖𝙙𝙖 π™›π™šπ™žπ™©π™– π™₯π™šπ™‘π™–π™¨ π™›π™€π™§π™˜̧𝙖𝙨 π™™π™š π™¨π™šπ™œπ™ͺπ™§π™–π™£π™˜̧𝙖

Γ‰ nas matas fechadas e em grotas — cavidades provocadas por Γ‘gua de rios e cachoeiras — que LΓ‘zaro Barbosa Sousa, apontado pelas autoridades como um serial killer, consegue fugir dos policiais que hΓ‘ nove dias o procuram na regiΓ£o rural de Cocalzinho, em GoiΓ‘s. CaΓ§ador, ele conhece bem a Γ‘rea e, mesmo quando estΓ‘ cercado, dΓ‘ um jeito de driblar os agentes.


A polΓ­cia acredita que LΓ‘zaro esteja jΓ‘ cansado e com fome. Mas, como hΓ‘ muitas casas abandonadas na regiΓ£o — moradores temem se tornarem vΓ­timas do criminoso —, ele as invade para buscar comida.

— Ali tem Cocalzinho, EdilΓ’ndia e Girassol. EdilΓ’ndia Γ© no municΓ­pio de Cocalzinhho, com cerca de mil habitantes. Girassol tem pouco mais de cinco mil pessoas. Ficam Γ s margens da BR-070. Depois disso Γ© sΓ³ mato. Mato, mato, mato. Γ€s vezes campo aberto, com vegetação de cerrado, Γ s vezes com uma mata muito fechada. Tem alguns rios, cΓ³rregos e cachoeiras. E nessas cachoeiras sΓ£o pedras. A Γ‘gua forma grotas, buracos, onde ele se esconde e dificulta a polΓ­cia a achΓ‘-lo — contou Naldo Lopes, que administra um perfil que publica notΓ­cas da regiΓ£o e acompanha a caΓ§ada a LΓ‘zaro desde o primeiro dia.

Ele viu quando LÑzaro trocou tiros com policiais, na tarde da última terça-feira. No confronto, um agente ficou ferido:

— Teve toda aquela correria. Teve o dia tambΓ©m que ele trocou tiros com um caseiro. Esses dias a gente estava muito prΓ³ximo, inclusive a gente correu mata adentro com os carros para tentar filmar ele fugindo ou a polΓ­cia pegando ele. Mas nΓ£o tivemos Γͺxito.

ComentΓ‘rios