𝙅π™ͺπ™‘π™œπ™–π™’π™šπ™£π™©π™€ 𝙙𝙀 π™Žπ™π™ π™¨π™€π™—π™§π™š π™§π™šπ™–π™‘π™žπ™―π™–π™˜̧𝙖̃𝙀 π™™π™š π™–π™˜̧𝙀̃π™šπ™¨ π™₯π™€π™‘π™žπ™˜π™žπ™–π™žπ™¨ 𝙣𝙀 π™π™žπ™€ π™š́ π™–π™™π™žπ™–π™™π™€

𝙅π™ͺπ™‘π™œπ™–π™’π™šπ™£π™©π™€ 𝙙𝙀 π™Žπ™π™ π™¨π™€π™—π™§π™š π™§π™šπ™–π™‘π™žπ™―π™–π™˜̧𝙖̃𝙀 π™™π™š π™–π™˜̧𝙀̃π™šπ™¨ π™₯π™€π™‘π™žπ™˜π™žπ™–π™žπ™¨ 𝙣𝙀 π™π™žπ™€ π™š́ π™–π™™π™žπ™–π™™π™€

O julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a realização de açáes policiais no Rio é adiado. A medida foi tomada após o ministro Alexandre de Moraes ter pedido vista durante voto registrado nesta segunda-feira (24).

A Corte começou a discutir o tema na última sexta-feira (21) de forma virtual. Por conta disso, os magistrados teriam até o dia 28 para se manifestar.

Antes de Alexandre de Moraes, apenas o relator do caso, o ministro Edson Fachin, havia apresentado seu voto. Na ocasião, Fachin votou a favor do início de uma investigação por parte do Ministério Público Federal para apurar o descumprimento das restriçáes em operaçáes policiais no Rio.

O ministro determinou ainda que em até 6 meses, o estado instale equipamentos de GPS e sistemas de gravação de Ñudio e vídeo nas viaturas policiais e nas fardas dos agentes de segurança.

Com o pedido de vista, nΓ£o hΓ‘ previsΓ£o para que o julgamento seja retomado


ComentΓ‘rios